quarta-feira, 12 de julho de 2017

Camadas da Pintura Automotiva: O que se usa para pintar um carro? O que se usa para pintar lata, plásticos e alumínio?

Análise de Pintura Automotiva: O que compõe a pintura automotiva?



Saiba quais são os produtos usados na pintura automotiva e para que servem!

Olá pessoal.

Visando tirar dúvidas e esclarecer o básico da pintura automotiva para polidores e também para o pessoal que está começando a pintar e polir, vamos abordar as camadas que compõe a pintura automotiva.

Primeiramente, vamos apresentar alguns sinônimos que você irá encontrar nas literaturas de pintura automotiva:

Tinta é sinônimo de base.
Fundo é sinônimo de primer.
PU é sinônimo de Altos Sólidos / HS.
Fundo Fosfatizante é sinônimo de Wash Primer.


Produtos básicos utilizados para fazer pintura automotiva:


O que é fundo fosfatizante também conhecido como wash primer?

Ele serve para promover aderência para o fundo que será aplicado na chapa nua ou com correções utilizando massa poliéster / plástica. Serve também como barreira protetiva anti corrosiva. Deve ser aplicado em uma fina camada sobre toda a área com massa e de chapa exposta, em duas demãos simples, assegurando boa cobertura.
Produto bem líquido e de secagem bem rápida. Normalmente deve-se aplicar o fundo em até 2 horas após a aplicação do fundo fosfatizante wash primer. Passado esse tempo recomenda-se fazer a ativação, que consiste em lixamento com esponjas de ativação ou leve lixamento com lixa P220 e reaplicação do produto para depois aplicar o fundo.

O que é fundo primer?

Serve para selar a peça antes da aplicação da tinta. Nivela pequenos defeitos, isola camadas de massa e faz com que a superfície fique em uma só cor, evitando diferenças de tonalidade após a pintura. Deve ser lixado antes de aplicar tinta.

O que é seladora para plásticos?

A seladora serve para promover aderência da tinta ou fundo que será aplicado em peças plásticas. Normalmente é utilizado como o wash primer, em 2 demãos de uma fina camada e exige aplicação do fundo ou tinta em até 2 horas após o uso da seladora. A ativação deve ser feita da mesma maneira que o wash primer fundo fosfatizante.

Nota: Devido à diferenças entre os produtos de fabricantes distintos, você deve seguir sempre as recomendações do fabricante para uso dos produtos de pintura.


Processo de pintura padrão em peças metálicas ferrosas / não ferrosas:


  1. Fundo Fosfatizante: Promover aderência para aplicação do fundo e proteção anti corrosiva. Na repintura é aplicado em uma ou duas demãos finas, seguido do fundo em até duas horas após sua aplicação.
  2. Fundo: Selar a chapa dando nivelamento e proteção anti corrosiva, removendo pequenos defeitos de lixas da etapa de funilaria e promovendo aderência para a tinta.
  3. Tinta: Pode ser base poliéster ou PU. A base poliéster é mais fina que a base PU, cobrindo menos pequenos defeitos do que a tinta PU. A tinta poliéster precisa de verniz para ter brilho e acabamento final. A Tinta PU não necessita de verniz e possuí maior poder de cobertura, escondendo pequenos defeitos que a tinta poliéster não esconde.
  4. Verniz: Serve para dar acabamento após a pintura com tinta poliéster. Não deve ser aplicado após a pintura com tinta PU.


Conceito de dupla camada: A pintura em dupla camada significa aplicar uma base de tinta e depois o verniz para ter o acabamento e brilho desejados.

A pintura com base (tinta) poliéster é uma pintura em dupla camada pois a tinta poliéster exige aplicação de verniz para ter brilho e acabamento.


Processo de pintura padrão em peças plásticas em geral:



  1. Seladora: Promove aderência do fundo ou tinta que será aplicado na peça. Aplicado em 1 ou 2 demãos finas, da mesma maneira que o wash primer. Normalmente recebe o próximo produto (fundo, tinta, etc) em até duas horas após sua secagem.
  2. Fundo (opcional). Nivela defeitos, promove aderência da tinta poliéster ou PU no processo de reparo / preparação para pintura.
  3. Tinta.
  4. Verniz caso a tinta utilizada no passo anterior seja poliéster.


Processo de pintura de alumínio:


  1. PFV Preto Fosco Vinilico: Fundo fosfatizante que promove proteção antei corrosiva e aderência à tinta ou fundo que será aplicado depois.
  2. Fundo (opcional).
  3. Tinta.
  4. Verniz (caso a tinta utilizada não seja PU).


Logo, notamos que existem diferentes passos e processos para pintura em diferentes tipos de material. Abordamos acima ou 3 materiais básicos que são utilizados na pintura automotiva, tais como metal, aluminio e plástico.


Para o polidor:


Como saber se estou polindo tinta PU ou verniz?

Utilizndo algodão para polimento, faça a aplicação de massa ou polidor de corte em uma pequena área da peça. Se ela sair manchada na cor do carro está polindo tinta PU, caso contrário está polindo sobre base poliéster e verniz.

Esta dica serve para uma pintura normal com aspecto de brilho ou levemente fosca. Não serve para pinturas já com verniz descascado ou manchas brancas sem cor.

Como saber se o risco sai ou não no polimento?

  1. O risco é sensível ao tato? Caso positivo, não irá sair, caso negativo, poderá sair sim com polimento.
  2. Inicie o polimento com a etapa de corte. Caso não saia, verifique se com lixamento utilizando lixas de polimento o risco irá sumir.


Risco que atinge a lata, a base de tinta e o fundo não são removidos com polimento.

Muitas vez o risco é tão fino que não sentimos ao tato, porém ele chegou na base de tinta ou fundo, comprometendo o acabamento e não sendo possível remover portanto: Lixou um pouco até fosquear e deixar a área sem percpeção de riscos de lixa grosseiros durante o lixamento, fez polimento e mesmo assim o risco não saiu, não insista. Você irá queimar o verniz e será necessário repintura para solucionar o problema.

Qual a espessura média de cada camada de produto aplicado sobre a lataria do veículo?

Com base em recomendações de uso fornecidas pelos fabricantes dos produtos especificados acima na área da lataria, podemos ter uma média para cada um deles em microns.


  1. Wash Primer e Seladora para Plásticos: 2 à 5 microns por demão.
  2. Fundo PU: 20 à 50 mícrons por demão. Depende muito da diluição. Quanto mais diluído menor e espessura. A camada total presente de fundo após o lixamento é a mais complicada de se mensurar, tendo em vista que o lixamento pode ser maior ou menor, de acordo com o processo de repintura. Em carros originais gira em torno de 75 mícrons.
  3. Tinta Poliéster e Preto Fosco Vinilico: 10 à 20 microns por demão.
  4. Verniz ou tinta PU: 25 à 30 mícrons por demão. Podem variar para mais ou para menos de acordo com a diluição. Adotamos aqui a recomendação de até 10% para verniz e entre 10 e 20% para tinta PU.

Para o polidor, o que interessa é sempre a camada de verniz ou tinta pu passível de polimento.

O polidor precisa identificar corretamente defeitos de pintura que saem ou não com polimento, tendo em vista que na maioria dos casos ele precisa explicar ao cliente o que é um defeito que necessita de repintura e um defeito que sai com polimento.

Para isso é necessário saber o que é um risco de funilaria por traz do verniz ou tinta e o que é um risco no verniz ou tinta pu que irá sair ou não com polimento.

Além disso, o dominio básico das camadas de produtos aplicados sobre a peça para a pintura é fundamental, tendo em vista que é necessário conhecer o que compõe uma pintura original e uma repintura.

A repintura normalmente irá possuír uma camada extra por deibaixo do fundo e até mesmo massa, aumentando consideravelmente a espessura e dificultado ao polidor a identificação de camadas de verniz ou tinta pu passíveis de polimento utilizando o medidor de espessura.

A repintura pode trazer muitos problemas para o polidor tais como:


  1. Mostrar defeitos de preparação de superfícies após o lixamento e polimento técnico em repintura.
  2. Polir uma camada muito fina de verniz ou tinta, queimando a peça e necessitando de repintura.
  3. Fazer lixamento de áreas com verniz ou tinta muito ralos, queimando a pintura ou manchando a peça, devido ao fato de defeitos do processo de repintura.
  4. Mostrar manchas de retoque após o polimento, devido ao fato de mostrar emendas de tinta e verniz oriundos de retoques de pintura.
  5. Destacamento de tinta, verniz ou massa, devido a má preparação para pintura.
  6. Problemas diversos originados por produtos de baixa qualidade e utilizados incorretamente durante a pintura, especialmente vernizes aplicados incorretamente e de tipos diferentes em peças retocadas e repintadas.

Defeitos comuns de repintura marcas de lixa e massa





Por isso muitos polidores não fazem polimento em repintura de terceiros ou pintores desconhecidos.

Uso de medidores de espessura no auxilio do polimento:

Para uso em medidores de camada podemos adotar o padrão em torno de 120 mícros para uma pintura original. Dentro desse valor devemos ter algo em torno de 50 mícros para polimento, seja em verniz ou tinta PU.

Carros repintados vão possuir valores muito diferenciados, devido à possível presença de massa, maior ou menor quantidade de fundo, demãos não uniformes e etc.

É possível usar medidor de espessura em peças plásticas?

Desconheço um modelo capaz de medir peças plásticas sem base metálica por traz.

Veja também:



Espero que minhas dicas sobre as camadas de pintura tenham sido uteis.

www.rodrigogsi.com.br

Loja virtual com kits especiais: rodrigogsi.tudonavitrine.com.br

Loja no Mercadolivre: http://lista.mercadolivre.com.br/_CustId_75922527


vendas@rodrigogsi.com.br


#ficaadica

Forte abraço e até o próximo!

Tags: quais as camadas de tinta na pintura automotiva, quais produtos são usados para pintar carros, quais produtos são usados na chapa, quais produtos são usados na pintura automotiva, quais produtos são usados na repintura, como prevenir problemas de polimento, medidas de tinta na pintura automotiva, medidas de verniz na pintura automotiva, quantidade de verniz sobre a pintura, quantidade de tinta na pintura automotiva, como identificar repinturas, manchas durante o polimento saem, medida da camada de fundo, medida da camada de tinta, medida da camada de verniz, dicas de polimento, dicas de pintura, camadas de tinta, camadas de verniz, camadas de fundo, análise de pintura automotiva, como analisar a pintura antes de polir, como analisar a pintura automotiva, como saber se posso lixar o carro, tinta pu vai verniz, tinta poliéster vai verniz, tinta pu, tinta poliéster, base pu, base poliéster, primer, fundo, espessura de camada de tinta, espessura de camada de fundo, espessura de camada de primer, espessura de camada de verniz, espessura ideal para polir, espessura de tinta de carro original, espessura de verniz de carro original, espessura média de repintura, espessura média de verniz de carro original, espessura média de verniz de carro repintado, mancha de retoque sai no polimento, dicas para polidores, polidor automotivo o que precisa, o que precisa para ser polidor de carros, noção básica de pintura automotiva para polido, noções básicas de pintura automotiva, noções básicas de pintura para polidores, polidor de carros cuidados, polimento em repintura, polimento em repintura de terceiros dicas, dicas para polidores, dicas para polir repinturas, monte seu próprio negócio estética automotiva, monte seu próprio negócio polimento automotivo, camadas de tinta, camadas de tinta na pintura automotiva, medição de camadas de tinta na pintura,

Nenhum comentário:

Postar um comentário